Badajoz, muito mais que "caramelos"

Alcácer de Badajoz, Espanha.
Esta é a cidade onde habito, coladinha à fronteira e à minha Elvas natal. E se a cultura popular lusa associa esta cidade espanhola aos rebuçados, isto deve-se aos largos anos anteriores à CEE, em que a tradição, a saber porquê, associava a visita além-fronteiras a Badajoz à compra de sacos de rebuçados de pinhão!

Hoje, Badajoz apresenta-se-nos como a maior cidade da Extremadura, mantendo o seu atrativo comercial, confirmado nos feriados lusos durante os quais as suas áreas comerciais se enchem de portugueses, de sotaques vários, na procura de compras excecionais e diferentes.

Torre de Espantaperros na muralha almoada de Badajoz, Espanha.
Seguramente a maioria destes compatriotas compradores de rebuçados desconhece que foi contra o Reino de Badajoz que construímos o nosso território luso, conquistado pela dinastia de Borgonha. Foi contra o emir de Badajoz que D. Afonso Henriques lutou durante a reconquista, tendo inclusive cercado o seu alcácer à beira Guadiana em 1166.

Palácio dos Condes de Roca e ao fundo a Torre da antiga catedral, Badajoz, Espanha.
E é precisamente no seu alcácer que iniciamos a nossa visita. Foi aqui que Ibn Marwan fundou Batalyaws em 875, que se transformou posteriormente no maior reino taifa da península, conquistado por Afonso IX de Leão em 1230. Atualmente o alcácer é um parque, com zonas ajardinadas, rodeado pelas muralhas do século XII, com a sua porta do Capitel, em cotovelo e arcos de ferradura; a torre de Espantaperros, autêntico símbolo da cidade. No interior existe ainda o Museu Arqueológico, ocupando o antigo palácio dos Condes de Roca (sec. XVI) e a torre de Sta. Maria que corresponderia ao antigo minarete duma mesquita posteriormente transformada em catedral, da qual se conhecem ruínas na Biblioteca da Extremadura, também aqui instalada.

Passeando pela Porta do Capitel, Badajoz, Espanha
Descendo do alcácer, e passando em frente à igreja neogótica de S. José, cruzamos debaixo do Arco do Peso, decorado com as armas da cidade, e entramos na Plaza Alta, relicário do espírito de Badajoz, onde o som do flamenco, canção património imaterial da humanidade, ecoa entre as paredes das Casas Coloradas (sec. XVII), a antiga Casa da Câmara quinhentista e as arcadas onde se vendia pão ou carnes em tempo idos. Saindo agora pelo lado oposto da praça, e passando pela base da torre de Espantaperros alcançam-se os Jardins da Galera, espaço entre a muralha muçulmana e a muralha seiscentista, e que deve o seu nome à prisão onde os meliantes esperavam o seu transporte que os levaria às galeras onde cumpririam as suas penas, remando até ao seu último dia.

Arco do Peso e ao fundo a igreja de S. José, Badajoz, Espanha
Plaza Alta vista desde o adarve, Badajoz, Espanha.

Rumamos agora ao museu Luís de Morales (entrada gratuita/2019), centro interpretativo da história da cidade e da figura do ilustre pintor badajocense, para seguir depois até à praça da Soledad. Encostados à estátua de El Porrina, famoso cantante de flamenco, vislumbra-se na perfeição o edifício da Giralda, imitação da torre da catedral de Sevilha, edificado em 1930 e onde funcionou um estabelecimento comercial que ocuparia a primitiva localização da ermita da padroeira de Badajoz, que foi à época reedificada ao seu lado, onde se mantém a devoção à Virgem da Soledade, imagem italiana datada do século XVI, hospedada neste novo templo, cujo primeiro piso alberga uma capela neobizantina de curiosa fábrica.

"La Soledad", a padroeira de Badajoz, Espanha.
Ao seu lado a antiga loja "3 Campanas", onde muitos portugueses nos anos oitenta do século passado rumavam em busca de bonecas e outros "juguetes" famosos e indisponíveis em Portugal. A beleza da sua arquitetura interior em breve voltará ao usufruto da população agora como unidade hoteleira.

Estamos no eixo da principal rua comercial do centro da cidade, a rua Menacho, com uma oferta comercial variada, opção que adiamos, para subir a rua Soledad até alcançar o antigo campo de San Juan, onde em 1255, por ordem de Afonso X de Leão e Castela, se inicia a construção da catedral pacense, sob a invocação de S. João. Na sua torre (sec. XVI) encontramos cordas manuelinas, janelas góticas e renascentistas. E no seu interior não podemos deixar de contemplar o altar-mor, o coro, o claustro com a lapide sepulcral de Suárez de Figueroa, através do qual se acede ao museu que alberga obras-primas de Luís de Morales. Hoje esta praça denomina-se de Espanha e nela situa-se também o palácio municipal (sec. XIX) ou a Casa do Cordão (sec. XVII) ocupado pelo bispado de Badajoz-Mérida.

Catedral de S. João de Badajoz, Espanha.
A pouco passos, descendo pela rua Obispo San Juan de Ribera, encontramos a igreja que D. João V de Portugal ofertou à cidade por ocasião da Troca das Princesas, ocorrida sobre as águas do rio Caia em 1729, e que serviu de igreja ao convento de S. Francisco, entretanto desaparecido. À sua frente situa-se o antigo hospital de S. Sebastião (sec. XVII), em breve um mercado gourmet de produtos regionais e local ideal para prová-los. No espaço da cerca e horto deste antigo convento ergue-se o teatro local e uma praça ideal para repousar desta primeira abordagem e recuperar forças antes de entrar na zona comercial, ali ao lado.

A posição geoestratégica de Badajoz junto à fronteira, e frente à cidade-quartel de Elvas, requereu que após a Restauração se erguessem fortificações abaluartadas abraçando a cidade em 1680, as quais apresentam troços visíveis, apesar de terem sido sacrificadas na expansão urbanística da cidade no sec. XX.

Sombra de palmas sobre a Porta de Palma em Badajoz, Espanha.
Outra das propostas para usufruir desta cidade passa por passear pelos parques urbanos que se estendem ao longo das duas margens urbanas do rio Guadiana, local preferidos dos badajocenses para passear, fazer desporto ou sentar-se tomando um refresco e observar o rio Guadiana e a cidade. Desde esta posição privilegiada destaca a velhinha ponte de Palma (sec. XV) que permitia cruzar o rio antes de entrar mas muralhas da cidade pela porta de Palma (sec. XVI).

Badajoz, que faz parte do imaginário português, é hoje uma cidade moderna que percebe português e que aspira ser a sala de estar dos portugueses em Espanha, mas também uma sala de jantar onde os produtos regionais chegam à mesa e aos quais não há que resistir-se e deixar-se deleitar com os seus sabores antes de deixar a cidade.

Ahh ... e quem sabe se entre as recordações compradas em Badajoz não constam alguns "caramelos"!

TAMBÉM TE PODE INTERESSAR



Com tecnologia do Blogger.