24 horas em Viena, o essencial

Palácio Belvedere, Viena, Áustria.
Regressar à Áustria, o qual considero um dos países mais belos do mundo, e passear de novo por Viena, é sempre um prazer. Trata-se de uma cidade cujos habitantes aproveitam as ruas, jardins e espaços abertos para conviver e gozar a vida, imagino que à espera do inverno.

Cidade da música clássica, do barroco e da imperatriz Sissi, com uma amplia oferta de locais a conhecer pelo que esta jornada será larga e intensa, assim que pés ao caminho!

Museu de Belas Artes de Viena, Áustria.
O coração da cidade de Viena está rodeado pelo Ringstraße, bulevar circular imaginado pelo imperador Francisco José (sec. XIX), em torno do qual se construíram belos palácios e edifícios administrativos. Uma boa opção para iniciar o passeio é usar uma das linhas de elétrico (linha 1) para percorrer este bulevar e apreciar a Universidade, a igreja Votiva, o Rathaus (paços do concelho), o Teatro Nacional, o Parlamento, a praça Maria Teresa e os seus museus, a Ópera, o Urania (observatório astronómico) e terminar nas margens do canal do rio Danúbio.

Catedral de Sto. Estêvão, Viena, Áustria.
Depois de uma café é o momento de entrar na cidade velha (Innere Stadt), recheada de belos edifícios barrocos e novecentistas, e ainda que não seja meio-dia convém situar o Ankeruhr, um relógio-ponte de 1914 que diariamente às 12H00 apresenta o desfile de figuras históricas ao som de música clássica. Seguimos em direção à catedral de Sto. Estêvão (Domkirche St. Stephan), erguida no sec. XII, com o seu característico telhado geométrico e as suas torres, uma delas incompleta. O interior é visível gratuitamente desde a entrada e o bilhete completo custa 14,90€ (2018) permitindo a visita à catedral, torres, catacumbas e tesouro, o que te poderá levar umas duas/três horas (se apenas tens um dia nesta cidade deixa esta visita para uma próxima oportunidade).

Rua Graben e o Pestsäule, Viena, Áustria.
Estamos no mais centrico ponto de Viena, e isso nota-se percorrendo a rua Graben, cheia de lojas e cafés. Esta rua deve a sua estrutura a que foi o fosso da muralha da cidade romana de Vindobona, servindo a partir do sec. XII de mercado e rossio para várias celebrações, estando decorada com duas fontes barrocas e a coluna central (Pestsäule) como agradecimento pelo pouco sofrimento da cidade durante a peste.

Igreja S. Pedro vista desde a rua Graben, Viena, Áustria.
Ao lado da Graben está a igreja barroca de S. Pedro (sec. XVIII) de planta centralizada e que permitiu construir a primeira cúpula da cidade de Viena. O seu interior e decoração merecem-lhe o título da mais bela igreja barroca vienense.

A próxima etapa é o coração de Viena Imperial, em torno ao complexo imperial de Hofburg. Aqui se situava o castelo ducal dos Hadburgos, que ao longo dos seus 600 anos de governo o foram ampliando e reconstruindo à medida que incrementavam o seu poder na Europa até à extinção do Sacro Império, no inicio do século XIX. Ainda hoje aqui se situa a chefia do estado, servindo de residência oficial da Presidência da República.

Entramos em Hofburg pela praça de S. Miguel, com a sua esplêndida fachada barroca, que liga o edifício da escola equestre espanhola com a zona residencial do palácio. Na rotunda interior acede-se aos apartamentos imperiais, museu Sissi e à coleção de pratas (entrada 13,90€/2018). O pátio interior, com a estátua do imperador Francisco I, está rodeado pelos apartamentos reais e esconde a entrada para o pátio suíço, que corresponde à zona mais ancestral do complexo e onde se situa a Câmara do Tesouro (entrada 12,00€/2018) e a capela Real, onde regularmente cantam os Pequenos Cantores de Viena.

Neue Burg, Viena, Áustria.
Chegámos à HeldenPlatz, ampla praça ajardinada dedicada aos heróis austríacos e onde se ergue o Neue Burg, que aloja vários museus. Saindo pelo portão de castelo, chega-se à praça e estátua de Rainha Maria Teresa, que centra os edifícios gémeos do museu história natural e do museu de belas artes. Enfrentando o portão está o Bairro dos Museus, com uma oferta cultural diversificada e local ideal para sentar-se e descansar ainda que não haja tempo para os visitar nestas 24 horas em Viena.

Nos jardins de Belvedere, Viena, Áustria.
Na lista dos imprescindíveis para uma visita rápida a Viena, é o turno para o palácio de Belvedere. Voltamos a usar o elétrico para esta deslocação (linha D), sendo a forma mais rápida e económica de o fazer. Belvedere são na realidade dois palácios, unidos por um belo jardim, e um dos postais desta cidade. Construídos pelo príncipe Eugénio de Saboia, entre 1714 e 1723, passaram com a sua morte para posse da Casa dos Habsburgo. O palácio superior, alberga hoje em dia uma coleção de pinturas de Klimt, onde se incluí "o beijo". O intuíto da visita é conhecer o local pelo exterior e percorrer os seus jardins barrocos.

Karlskirche, Viena, Áustria.
O último esforço da tarde vai para conhecer outros ícones de Viena, como seja a igreja de S. Carlos (Karlskirche), passar pelo exterior da Sala de Concertos (Musikverein) a qual faz parte dos imaginários de todos os portugueses que acompanhamos anualmente o concerto de Ano Novo como parte das nossas tradições natalícias. Cansado e exaustos apenas nos resta procurar um lugar para terminar a tarde, e nada melhor que faze-lo à sombra de Johann Strauss. No interior do Stadpark (parque da cidade) está situado a estátua deste músico austríaco que nos deixou algumas das mais belas valsas vienenses, que vamos aproveitar para ouvir enquanto descansamos na relva.

Monumento a Johann Strauss, Viena, Áustria.

Para a noite deste dia vienense estava previsto rumar até ao Wiener Prater, o mais antigo parque de diversões do mundo e que conserva a roda gigante original, contudo descobrimos que nas noites de verão frente ao Rathaus se realizava uma feira gastronómica e foi essa a nossa escolha. Noite animada com boa comida e concerto em ecrã gigante d'Os Miseráveis.

Teatro Nacional, Viena, Áustria.
Era impossível em 24 horas ver tudo o que Viena tem para oferecer, tanto mais se tivermos em consideração que a visita ao palácio de Schönbrunn (Schloss Schönbrunn) a deixamos agendada para o dia seguinte completando a visita de Viena, e terminado esse segundo dia sentados frente à ópera de Viena comendo uma fatia de bolo Sacher.

Ópera de Viena, Áustria.

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.